Como instrumento do inquérito numa investigação, o questionário pode ser elaborado com os seguintes objectivos básicos em mente:

- estimar grandezas "absolutas", tais como: quantidades/tempo, porcentagens etc.;
- estimar grandezas "relativas", tais como: proporções de tipos numa população;
- descrever uma população ou subpopulação, tais como: características de consumidores, formadores de opinião etc.;
- verificar hipóteses, tais como: variações de natureza ou de frequência de comportamento com a idade, entre outras.

O alcance de tais objectivos exige sua explicitação e a operacionalidade dos seus conceitos, ou seja, que as respostas às perguntas do questionário correspondam ao que se pretende saber e, portanto, permita classificar os indivíduos nas diversas categorias em função de suas respostas. De facto, a concepção e a redacção de um questionário são totalmente determinadas pelas formas de exploração estatística que tenham sido previstas para ele. Isto exige, então, uma legitimação do modo em que serão enumeradas as respostas para cada questão de forma a efectivamente considerar como equivalentes as respostas semelhantes. Por conseguinte, o mesmo questionário precisa de ser utilizado para todos os inquiridos.

É importante salientar que, uma vez iniciado o trabalho de campo, não se pode fazer modificações no enunciado das questões a título de aprimoramento da qualidade do questionário nem mesmo a título de correcção de algum erro sério. Neste último caso, o que se pode e se deve fazer é recomeçar totalmente o inquérito anulando todas as respostas dos primeiros participantes. Caso não haja tempo nem meios suficientes para reiniciar o trabalho, então, prossegue-se com a versão alterada. Todavia, a análise dos resultados deverá separar os dois grupos de inquiridos não se misturando as duas versões do questionário.

Outro aspecto relativo à constância das condições de aplicação diz respeito à não necessidade do entrevistador ter que explicar adicionalmente as questões aos indivíduos. A concepção das questões deve ser de tal forma a não precisarem de detalhes extras para que possam ser respondidas.

Portanto, a construção do questionário e a elaboração das questões constituem uma fase crucial do desenvolvimento de um inquérito como método de investigação. Quaisquer imprecisões, erros ou ambiguidades precisam de ser eliminadas antes de sua aplicação em campo pois estas, por mínimas que sejam, exercerão impacto decisivo no total das operações posteriores em direcção às conclusões.

No que toca às entrevistas, há uma outra visão sobre a questão da constância das condições de obtenção dos dados. A padronização das questões e dos modos de intervenção do entrevistador é uma condição importantíssima, porém, como os entrevistados tendem a seguir suas próprias linhas de pensamento, o que se reflecte em diferentes desenrolares do processo de entrevista em si, as análises e as interpretações das respostas devem ser feitas de uma forma global.

Aspectos Principais de um Questionário

Por definição, um questionário é um instrumento de recolha de informações rigorosamente padronizado, tanto no texto das questões formuladas como na ordem em que elas são colocadas. Conforme já mencionado anteriormente, para que haja legitimidade na comparação das respostas dadas pelos sujeitos inquiridos, a colocação das questões deve ser igual para todos, sem nenhum tipo de adaptação, explicação ou alteração, por menor que seja. Caso o entrevistador tenha que dar explicações adicionais para o perfeito entendimento da questão, isto indica que ela está formulada de forma inadequada. Deve-se ter em mente que uma boa questão nunca deve propiciar tendência a uma resposta específica, não deve expressar nenhuma expectativa e as opções de resposta, caso existam, não devem excluir nenhuma possibilidade plausível de resposta do entrevistado.

Quanto à ordem das questões, esta é importante devido ao fato de, ao percorrer o questionário, o entrevistado acaba por ter uma visão mais abrangente do assunto objecto do estudo e passa, naturalmente, a reflectir sobre ele. Isto pode ou não ocasionar alteração em suas referências iniciais e, portanto, uma determinada questão, se colocada na parte inicial ou final do questionário, poderá ser alvo de respostas diferentes, especialmente no caso de questionários um tanto quanto extensos.

Um questionário deve apresentar um estilo de redacção o mais natural possível, até para não causar nenhum efeito intimidativo ao participante. As questões precisam de ter encadeamento e não devem apresentar incoerências nem despropósitos. Caso haja a necessidade de alguma mudança brusca no tema da pergunta que vem a seguir, pode-se incluir uma observação quanto a isto para evitar reacção de estranheza por parte do respondente.

Como no caso dos contactos pessoais, a parte de apresentação do questionário é muito importante. As questões iniciais servem para indicar o tema a ser abordado e o estilo geral das respostas desejadas. Visam estabelecer uma boa relação atractiva com o respondente e não devem passar a impressão de que invadirão sua vida pessoal. Devem ser escolhidas de forma a causar-lhe um interesse inicial e não intimidá-lo ou assustá-lo.

Alguns aspectos que devem ser levados em conta na elaboração de um questionário bem sucedido relacionam-se ao uso adequado de questões fechadas e abertas, ao seu agrupamento ou não sobre um mesmo tema e à variação na forma com vistas a quebrar uma possível monotonia, especialmente no caso de questionários longos. Sim, a duração do questionário é outro ponto que se precisa de ter em mente haja visto a tendência de se colocar um grande número de questões no intuito de se cobrir tudo o que se deseja saber. Contudo, uma preparação adequada da fase de apuramento dos dados permite ter uma noção melhor sobre quais perguntas são desnecessárias ou que exerçam um indesejável efeito cascata, ou seja, aquelas perguntas que acabam por exigir muitas outras mais para que possam ser interpretadas correctamente.

Em linhas gerais, um questionário composto, em sua maior parte, por questões fechadas deve ter, no máximo, 45 minutos, com aplicação em condições ideais de tempo e local. No caso de aplicação do questionário por amostragem na rua ou em local ruidoso com movimentação de pessoas, de pé, sem conforto, deverá durar, no máximo, 10 minutos, se tanto... Perguntas de justificação, com o famigerado "Por quê?" devem ser evitadas em termos repetitivos pois trazem consigo a possibilidade de irritação do inquirido.

A seguir, veremos como podem ser os tipos de questões que podem ser elaboradas.

Voltar ao Índice Survey